O que é fluxo de caixa? Saiba como controlar

O que é fluxo de caixa conferindo anotações

Em um negócio, se o empresário olha apenas para o dinheiro que entra das vendas, ele pode ter tenha uma visão muito errada sobre a real situação da sua empresa. Para evitar esse tipo de problema, é fundamental entender o que é fluxo de caixa.

Por isso, para que você tenha o controle de seus negócios, é importante saber como ele pode ajudar na organização da sua empresa. Continue acompanhando este post para tirar todas as suas dúvidas.

O que é fluxo de caixa?

O fluxo de caixa nada mais é do que o movimento de entradas (o que você recebe) e saídas de dinheiro (o que você paga) em seu negócio.

Ele é fundamental, porque contribui para um bom controle e que você tenha todos os registros detalhados.

Apesar de ser comum o uso de planilhas em pequenas empresas, o mais recomendável é avançar rumo a ferramentas mais completas, como um sistema de gestão online.

Para que serve o fluxo de caixa?

Serve para que o gestor de uma empresa consiga controlar suas finanças, avaliando a real situação financeira e estabelecendo estratégias para evitar problemas de caixa negativo.

Isso porque ele permite saber a previsão financeira, o prazo de pagamentos, se é necessário renegociar vencimentos, qual o saldo atual e quais os gargalos financeiros da empresa.

Como o fluxo de caixa funciona em uma empresa?

O que é fluxo de caixa

O fluxo de caixa de uma empresa é um instrumento gerencial que controla e informa todas as movimentações financeiras (entradas e saídas de valores) de um dado período, podendo ser, por exemplo, diário, semanal ou mensal.

Ele reúne os dados obtidos dos controles de contas a pagar, contas a receber, de vendas, de despesas, de saldos de aplicações e de todos os demais elementos que representem as movimentações de recursos financeiros da empresa.

A sua grande vantagem é permitir que a empresa planeje melhor suas ações futuras ou acompanhe o seu desempenho.

Em uma empresa, o recomendável é que o período de acompanhamento seja diário, pois em períodos menores o acompanhamento é mais eficiente, possibilitando o ajuste das finanças em caso de contingências.  Por outro lado, esse acompanhamento requer maior esforço.

Qual a diferença entre fluxo e controle de caixa?

Existe, sim, diferença entre fluxo e controle de caixa. Enquanto o fluxo analisa como está o financeiro da empresa como um todo, o controle de caixa é o registro diário ou semanal, de toda a movimentação financeira da empresa.

O fluxo leva em conta investimentos, gastos, ganhos futuros e projeções. Além disso, com ele você tem uma média de quanto irá ganhar ou perder, e assim tomar providências para a melhoria da empresa. Ele é um elemento de controle e é fundamental para o planejamento estratégico de qualquer organização.

Por outro lado, com o controle de caixa, o gestor pode saber como estão as movimentações financeiras naquele período. Ele ajuda a evitar a alocação de recursos nos locais errados ou até mesmo o desvio de verbas.

Para que fique claro, quando falamos na diferença entre fluxo e controle de caixa, é que o primeiro é um instrumento de gestão completa e o segundo é um tipo de controle.

Tipos de fluxo de caixa

O que é fluxo de caixa mulher calculando

Existem diversos tipos de fluxo de caixa. Abaixo listamos os principais deles para que você conheça qual o melhor para o seu negócio.

Fluxo de caixa direto

É o método mais usado atualmente. Ele utiliza da estruturação da Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC), em que são registradas as entradas e saídas de recursos do negócio. Assim, a organização pode ser diária, semanal ou mensal, a depender da escolha do gestor.

Através do fluxo de caixa direto, o gestor consegue saber se faltarão recursos no caixa e se ele precisará buscar novas fontes de dinheiro.

Fluxo de caixa indireto

Trata-se de uma ferramenta de análise, inclusive para investimentos. Com ele, chega-se ao valuation do negócio.

Para saber como fazer fluxo de caixa indireto, primeiro é preciso conhecer a Demonstração de Resultado do Exercício (DRE). Esse é um relatório contábil em que constam os dados financeiros necessários para mostrar se a empresa teve lucro ou prejuízo em um determinado período.

Para o fluxo de caixa indireto, é preciso excluir do valor do lucro líquido da empresa as antecipações de gastos e recebimentos, a depreciação e os valores referentes aos investimentos ou financiamentos.

Fluxo de caixa projetado

É aquele em que o gestor conhece não apenas suas entradas e saídas, mas também planeja as ações futuras do negócio.

As principais funções do fluxo de caixa projetado são: projetar a realização de pagamentos e recebimentos; planejar ajustes para estancar perdas e projetar investimentos na expansão do negócio.

Fluxo de caixa operacional

Trata-se do resultado das entradas e saídas financeiras de um negócio levando em consideração apenas as movimentações necessárias à operação daquele empreendimento.

É interessante analisar e acompanhar esse indicador de tempos em tempos, pois ele vai dizer o quanto de dinheiro a empresa está conseguindo gerar a partir do seu negócio principal.

Fluxo de caixa livre

Analisa a geração de capital em curto, médio e longo prazos, indicando o saldo existente na comparação com o chamado fluxo de caixa operacional.

Fluxo de caixa descontado

Utiliza-se o fluxo de caixa descontado por quem tem intenção de vender a sua empresa ou até mesmo de atrair investidores. Isso acontece, porque esse tipo de fluxo avalia a riqueza economizada do empreendimento, assim como os benefícios que mantém em caixa para projetos futuros.

Com isso, o empreendedor analisa o valor da sua empresa com base em como ela está funcionando e cria perspectivas futuras de grande valor, que envolvem não só a atividade da empresa como o tempo que será decorrido o projeto.

Esse tipo de fluxo mostra exatamente quais tipos de retorno o investidor ou empreendedor poderá ter, mostrando o período a ser finalizado e com uma visão completa do valor real do negócio.

É importante dizer que esse é um modelo usado em condições específicas e não se aplica a qualquer empresa. Além disso, na grande maioria dos casos, é fundamental contar com uma auditoria para utilizá-lo.

Fluxo de caixa incremental

São todos os valores relevantes para as avaliações que se originam por conta da decisão de investimento. Ele atua como um modelo matemático focado em mostrar as movimentações de dinheiro ao longo do planejamento do projeto.

Normalmente, utiliza-se o fluxo de caixa incremental quando o empreendedor resolve aplicar capital em uma segunda empresa ou um negócio paralelo.

Fluxo de caixa acumulado

Ele aponta o saldo disponível em caixa, uma vez que ele compara o lucro bruto do período em análise com o resultado obtido nos últimos períodos.

Fluxo de caixa para investimentos

É uma seção que fica dentro dos demonstrativos de fluxo de caixa de uma empresa.

É através desse dado que o analista ou investidor consegue examinar a quantidade de dinheiro que a empresa gasta com despesas de capital, como aquisição de novos equipamentos ou qualquer outro ativo que necessite para manter a operação.

Também estão incluídos nessa seção a categoria de “demais itens de fluxo de caixa de investimentos”, que representa a soma de todo o dinheiro gasto e recebido pela compra e venda de ativos que geram receita.

Como fazer o fluxo de caixa?

O que é fluxo de caixa celular

Agora que você já conhece os tipos de fluxo de caixa, é hora de aprender como fazer esse procedimento tão importante para melhorar a gestão financeira da sua empresa. Acompanhe o passo a passo abaixo.

Passo 1: Analise o saldo inicial da empresa

O primeiro passo é analisar quanto de dinheiro sua empresa possui em caixa.

Passo 2: Classifique suas receitas e despesas

Antes mesmo de começar a fazer os lançamentos de receitas e despesas, é importante classificar essas transações. Assim, é possível analisar as origens mais relevantes de recursos ou quais os custos poderão ser reduzidos ou cortados.

Passo 3: Anote todas as entradas de caixa do período

Registre tudo o que a empresa tem a receber em um período de 12 meses e anote todos os pagamentos recebidos , as contas a receber e qualquer outra entrada de dinheiro.

Passo 4: Registre todas as saídas de caixa 

Além das entradas, também é fundamental registrar tudo o que a empresa tem a pagar, tanto no dia quanto a curto e médio prazo.

Passo 5: Atualize e corrija os lançamentos

Mantenha os lançamentos sempre atualizados, corrigindo valores que sofreram alteração ou imputando novos lançamentos. A diferença entre as entradas e saídas de dinheiro será o saldo do seu caixa, ou seja, quanto você tem para operar.

Quais são as principais contas do fluxo de caixa?

As principais contas são as operações de movimentação de recursos financeiros. Entre elas podemos citar:

  • Entradas: contas a receber, dinheiro de sócios, empréstimos, vendas, saldo de aplicações, cheques à vista, cheques pré-datados, entre outras.
  • Saídas: contas a pagar, compras à vista, pagamento de empréstimos, despesas gerais (custos fixos), salários, entre outras.

Porque o fluxo de caixa é importante para a empresa?

O fluxo de caixa é muito importante para uma empresa, pois é nele que consta todos os recebimentos (vendas efetuadas, recebimentos, juros de investimentos e outros), bem como as despesas.

É ali que consta toda movimentação financeira que a empresa realiza, para visualizar os resultados de forma mais clara e objetiva.

Ou seja, é fundamental que qualquer empresa tenha um fluxo inteligente e muito bem estruturado, para que possa manter sua saúde financeira.

Exemplo de fluxo de caixa simples

O que é fluxo de caixa anotando no caderno

Agora, vamos a um exemplo prático e simples. Imagine que você deseja manter um fluxo de caixa com controle diário de suas movimentações.

Sendo assim, a melhor maneira de agrupar as informações é utilizando uma  planilha. Isso porque o fluxo de caixa diário é uma ferramenta para análise e gerenciamento de entradas, saídas, saldo diário e lucro que ocorre durante uma operação local.

De uma maneira geral, isso significa que você precisa anotar tudo o que entra e sai do financeiro todos os dias.

Como fazer fluxo de caixa para o seu e-commerce?

Conhecer o conceito e saber como usá-lo é uma maneira de melhorar o controle das finanças de seu e-commerce. Como falamos ao longo do texto, ele é basicamente um esquema que mostra de onde o dinheiro vem e para onde ele vai. Ou seja, mostra por onde os recursos entram e quanto se gasta ou o quanto é investido em cada quesito.

Enquanto algumas empresas funcionam melhor por meio de um planejamento semanal, outras podem precisar atualizar o controle em uma base diária ou mensal. Essas decisões dependem da complexidade do negócio e do seu ritmo de processos.

No caso de um e-commerce, a melhor maneira de fazer um é seguindo os passos abaixo:

  1. Fazer a previsão e o registro de despesas: visualizar todas as obrigações financeiras da loja virtual.
  2. Projetar a renda: anotar qualquer garantia de renda que a empresa tenha. No caso de venda por assinatura ou de contratos de longo prazo, é possível ter uma boa estimativa do que está por vir para estimar se os números serão positivos, negativos ou estáveis.
  3. Conectar as informações e obter o fluxo de caixa: colocar todas as informações da empresa em uma planilha, tanto os ganhos quanto os gastos.
  4. Atualizar a planilha: é importante atualizar o documento a cada operação feita. Quando o cálculo não corresponde à semana anterior, é fundamental descobrir o motivo.

Algumas plataformas, como é o caso da BigShop, oferecem planos com gestão completa do financeiro, com emissão de nota fiscal, cadastro de contas a pagar e receber e também a liberação de relatórios preciosos que te ajudam a entender cada detalhe.

Como ter um fluxo de caixa eficaz?

Listamos abaixo algumas dicas para que você tenha um controle eficaz. Veja quais são elas:

  • Inventário: faça um levantamento de todas as suas despesas e receitas, atuais e futuras, planos de investimento e expansão. Organize-as por natureza: operacional, não operacional e investimentos.
  • Horizonte: o ideal é que ele contemple um horizonte correspondente ao ciclo operacional da empresa, de aproximadamente um ano.
  • Detalhamento: para o primeiro ciclo operacional deve ser feito um nível de abertura das despesas, receitas e investimentos bem detalhado.
  • Atualização: o fluxo de caixa deve ser atualizado periodicamente.
  • Conservadorismo: evite o otimismo nas previsões das entradas e receitas. Ele deve considerar o fato de que alguns clientes não pagarão na data do vencimento ou mesmo que alguns não irão efetuar o pagamento.
  • Acompanhamento: preste atenção a eventos operacionais que impactam para que você possa atuar de forma proativa no seu fluxo de pagamentos.

Conclusão

fluxo de caixa relatórios

Ao longo do artigo você pôde perceber como é importante organizar seu fluxo de caixa. Ele é uma ferramenta de gestão financeira que ajuda a manter o seu desempenho sempre positivo.

Por meio dele é possível saber se está na hora de investir ou de controlar uma parte financeira.

É importante que você tenha consciência de que o fluxo de caixa é como um mapa que auxilia a sua empresa a evitar a falência, identificando quais são seus custos fixos e variáveis.

Lembre-se sempre que jamais os processos administrativos e financeiros deverão ser ignorados dentro de uma empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *